OS INVISÍVEIS - ULTIMA PARTE

Ele permaneceu recostado sobre o capô do carro a observando de longe. Ela estava em uma cabine telefônica ligando para os pais dela e os avisando que finalmente estava voltando para casa. Enquanto ele olhava para ela, sentia uma espécie de admiração pela mulher que ela se tornara. Obviamente a sua situação era péssima, mas ela era bonita, incrivelmente linda.
Enquanto ela falava com a sua mãe, a garganta dela ia se fechando aos poucos, ela sentia que á qualquer minuto estaria á ponto de explodir. Assim que desligou o telefone ela chorou silenciosamente. Enxugou as lágrimas e saiu da cabine. O encontrou recostado sobre o capô do carro. Ele continuava do mesmo modo que sempre. Sério, frio e bastante desleixado. Ele poderia ter feito a barba… mas de algum modo até que ficara bonito nele.
Ela se aproximou, as pernas dela pareciam brilhar e ele tentou desviar o olhar.
— Quer comer alguma coisa? — Ele perguntou.
— Sim.
Mais meia hora de viagem depois, eles chegaram á um restaurante de beira de estrada. A comida não parecia muito boa, de modo que eles pediram uma porção de fritas. Ele olhou ao redor do lugar que tinha um cheiro estranho, nem sequer tocou nas fritas, mas observou com um pouco de admiração enquanto Alice devorava rapidamente as fritas, de modo que de vez em quando ele até pensava que ela poderia engolir os dedos junto.
Ela não comia á quase um dia inteiro. Ela não costumava comer em lugares como esse. Ela não costumava comer daquele modo, mas obviamente na situação em que se encontrava ela não podia contestar com absolutamente nada, e Deus do Céu, as fritas estavam deliciosas!
— Você vai me contar o que aconteceu?
Alice parou de comer e virou os olhos para os olhos dele. Agora? Ela deveria contar? Depois de pensar um pouco, ela percebeu que era o mínimo que ela deveria fazer depois de tudo o que ele estava fazendo por ela.
— Então… — Disse ela. — Eu estava saindo com esse cara, mas os meus pais não gostavam nem um pouco dele, então nós fugimos. Mas nós só ficamos fora durante três dias, até que o dinheiro acabasse. Ele não queria trabalhar, gastava o dinheiro todo com cigarro, drogas e álcool e me… me obrigou á fazer coisas horríveis para ter dinheiro. Por fim nós decidimos voltar depois de eu insistir bastante. Mas no meio do caminho nós tivemos uma briga e…
Enquanto contava, Alice percebia que ele olhava fixamente para ela. Quase como hipnotizado e mesmo depois dela ter contado a história para ele, ele continuava em silêncio, até que finalmente disse:
— Por que ele?
— Ele me fazia sentir alguma coisa. Eu… eu estava tão vazia que eu implorava por qualquer emoção, e eu nem sequer me importava dessa emoção ser perigo.
Ele concordou com a cabeça.
— É melhor eu te levar logo.
Os dois seguiram em frente e á medida que as horas foram passando, ele foi se aproximando da cidade. Quando finalmente chegaram defronte á casa dela, ela agradeceu e ele se despediu. Antes dela ir, ele entregou o seu numero de telefone e eles combinaram de se encontrar novamente.
Ele a observou entrar em casa. O modo como seus pais abraçavam ela e choravam de felicidade por ter ela por perto. Ele iria voltar á encontrá-la, afinal de contas, tudo cooperava para ele ficar naquela cidade. E ele estava tão desesperado por calor humano, que nem mesmo se importava de conhecê-la vagando na estrada. Ele gostava dela. E acima de tudo, alguém sabia que ele existia, e que ele fora útil na vida de alguém.

16 comentários:

  1. Vai comer os dedos, Alice? Eu ri!
    Estava só passando por aqui e acabei lendo a ultima parte do Os Invisíveis! Que spoiler que eu me dei. Amei o Titulo porque amo invisíveis! E entendi Alice mesmo sem ter lido as outras partes, porque eu mesmo me sinto vazio as vezes e tento me encontrar em coisas que eu sempre rejeitei e achei errado. E gostei do barbudo que poderia fazer a barba, ele gosta de ser útil e foi útil! :d

    gabryelfellipeealgo.blogspot.com.br
    El Costa - do Confins Literários

    ResponderExcluir
  2. Não fui com a cara dessa Alice até hoje. Vejo muitas pessoas que fizeram o mesmo que ela por aí, e essas pessoas me irritam. E é esse motivo que eu gosto de escrever com protagonistas fortes e sem emoção. Esse é apenas um dos motivos para eu preferir os vilões: eles não se deixam levar por emoções humanas. Essa menina se deixou levar e olha onde foi parar?
    Gostei muito desse conto, o jeito como você escreve é muito bom. Amo ver textos de todos os tipos, de contos a poemas de umas três linhas. Eu estou escrevendo uma saga de cinco livros, todos os capítulos estão aleatórios no meu computador, por isso preciso de inspiração.
    photo-and-coffee.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Oi Tom!

    A espera valeu a pena! Pois ficou ótimo, fechou com chave de ouro e ainda deixou umas boas reticências no final hahaha.
    Tente fazer mais desses contos, você leva jeito para isso.

    Um abraço ♥

    ResponderExcluir
  4. Gostei bastante da sua forma de escrever, chega a me envolver completamente no conto como se estivesse lá, mesmo não tendo encontrado algo que me ligasse de alguma forma aos personagens.
    Me encantei por essa ultima parte, gostaria que tivesse mais. Ok, vou esperar pelo próximo.

    Beijos! || l0nely-star.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. Adorei a história Tom! Ficou super legal. Eu vi que você postou a última parte e decidi ler as outras, não queria ler antes, ia ficar muito curiosa... Eu gostei muito! Achei que ficou ótimo! Gostei muito do Adam, um doce ele! Eu espero que tenha mais alguns textos pra ver como ele vai ficar, continua com a história pra gente vai! haha' Amei! Bjus :**

    http://mar-de-ideia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Eu acompanhei toda a sua historia e me apaixonei pelo seu modo de escrever *-* haha claro, a historia também cooperou bastante. Só eu acho que deveria continuar? Eu sei, é o fim mas, é que vicia kk u.u tão linda ela, querendo sentir qualquer emoção para não sentir tal vazio. Achei essa parte linda e poética. Parabéns!! :))

    uma-quase-perfeita.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  7. Muito boa a história, adorei o título e as personagens. Vou esperar pelo próximo conto.
    Beijos.

    http://b-reakingfree.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. SENSACIONAL adorei o rumo do conto e o final, fiquei com gostinho de quero mais hahaha

    http://www.novaperspectiva.com/

    ResponderExcluir
  9. Não acredito que sumi perdi sua história... meus deuses!
    Bem, ficou perfeito mas prefiro as mais curtas.
    Você continua talentoso :3
    Beijos
    http://lembranca-ao-vento.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  10. Rs* eu fico sem vir um tempo aqui ... e vs continua escrevendo muito bem!

    ResponderExcluir
  11. Finalmente a finalização o/.
    Acompanhei toda a história e gostei muito, quero mais textos do tipo por aqui.

    memorias-de-leitura.blogspot.com

    ResponderExcluir
  12. Tom, faz um extra? Hahahhaha o final ficou maravilhoso, você sabe que eu to acompanhando todas as partes e fiquei feliz com o desfecho, mas eu quero mais. Apesar de ser uma estória curta, passou tantos sentimentos que vale a pena ser lida. Quem nunca fez uma cagada na vida, né mesmo?

    Beijos, http://porredelivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  13. Ficou muito bom Tom. No fim ele viu como às vezes pode ser importante. Todos temos nosso valor. Que bom ele ter percebido isso no fim. Isso muda muito a atitude. Apesar do momento, para ambos, a experiência lhes serviu para abrir os olhos.

    Muito bonito.

    Abração!

    ResponderExcluir
  14. Eu peguei o bonde andando e obviamente fui ler as duas primeiras partes e... uau. Adorei. Já pensou em escrever um livro? Eu iria ler, com certeza.

    http://queissobela.blogspot.com

    ResponderExcluir
  15. Woow.
    Bem, como a leitora aqui de cima, também peguei o bonde andando, então vou procurar as outras partes do conto, pois caramba, você escreve muito bem, meus parabéns!
    Beijos,

    http://meuuniversox.blogspot.com

    ResponderExcluir